crossorigin="anonymous">
 
Anuncie Aqui 2.png
  • Info Serrinha

Jogo entre Brasil x Argentina é suspenso após descumprimento de protocolos

Quatro jogadores da Argentina não seguiram protocolos sanitários de segurança.

Uma mancha no futebol sul-americano! A partida entre Brasil x Argentina, que estava sendo realizada neste domingo, precisou ser suspensa pois quatro jogadores argentinos não cumpriram protocolos sanitários exigidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), e com isso a partida precisou ser interrompida.


O confronto foi paralisado aos seis minutos do primeiro tempo após agentes da Anvisa e da Polícia Federal entraram em campo para exigir a saída de campo e deportação imediata dos jogadores Emiliano Martinez, Emiliano Buendia e Giovani Lo Celso e Cristian Romero.


Todos os atletas passaram pelo Reino Unido antes de chegaram ao Brasil, com isso deveriam seguir uma quarentena, a vez que o país está em contenção para o controle da pandemia.


Os atletas argentinos decidiram abandonar a partida e aguardar um desfecho. Devido a situação o árbitro decidiu suspender o confronto.


Em entrevista ao Globo Esporte o presidente em Exercício da CBF e ex-presidente da Federação Baiana de Futebol, Ednaldo Rodrigues, lamentou a situação. “Todos levaram um susto. Primeiro quero dizer que é lamentável um episódio desse tipo. Brasil e Argentina desperta o interesse de todo mundo. Há três dias, pelo o que tomamos conhecimento, a Anvisa já estava acompanhando a seleção da Argentina. Se estava acompanhando, e tem o protocolo da Anvisa. Nos causou muita estranheza deixar para depois que o jogo se iniciasse. Em momento algum a CBF foi parte, por quem quer que seja, com relação a qualquer negociação para retirar atletas da equipe. Muito pelo contrário, a CBF respeita as normas sanitárias, isso seria uma situação da Conmebol com a Anvisa. Ainda antes da partida se iniciar, o delegado da partida disse que poderiam jogar, para depois serem deportados. Mas depois, por um motivo que a CBF não conhece, mudaram”.


Agora a Conmebol, CBF e AFA irão definir o futuro do confronto.


Foto: Amanda Perobelli/ Reuters

Anuncie Aqui 2.png