crossorigin="anonymous">
 
Anuncie Aqui 2.png
  • Thiego Souza

Sismus explica recusa de proposta de reajuste feita pela Prefeitura: "Lei tem que ser cumprida"

Presidente do Sindicato comentou sobre a proposta apresentada pela Prefeitura e confirmou ter feito contra-proposta.


Na última quinta-feira, 19, a Secretaria Municipal de Educação de Serrinha apresentou uma proposta de reajuste para os profissionais da Educação. De acordo com a tabela os percentuais de aumento variam entre 5,34% e 7,34% a depender do nível. Os representantes do Sindicato dos Servidores Municipais não concordaram com o que foi apresentado.


Em entrevista ao Info Serrinha a presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Serrinha (Sismus), Perla Lima, comentou sobre a indignação da categoria. "Nosso questionamento e indignação não está na aplicação do piso, mas na Gestão tentar rasgar nosso plano de carreira desrespeitando a Lei municipal e a formação dos profissionais do magistério sem nos dar o direito de nos posicionar, sem nos ouvir, nos sentimos desrespeitados, principalmente pela condução e omissão por parte da Câmara de Vereadores, pois alguns vereadores não se posicionaram a favor do cumprimento da Lei e do direito do servidor público Municipal".


De acordo com Perla Lima o município de Serrinha tem condições de melhorar a proposta, chegando a pagar inclusive o percentual estabelecido pelo presidente da República. "Serrinha tem saúde financeira para pagar 33,24% mais os percentuais de níveis da carreira do magistério respeitando a Lei 11738/2008 e a Lei municipal 749/2007 (plano de carreira) onde consta o regramento do avanço horizontal e vertical. Prova disso foi o rateio concedido ano passado com as sobras dos 70% mínimo do FUNDEB que são aplicados exclusivamente em valorização profissional. Esse ano temos de saldo de mais de 16 milhões segundo extratos do Banco do Brasil. Previsão de mais de 122 milhões segundo apresentação da contadora".


A presidente do Sismus confirmou que fez uma contra-proposta para a Secretaria. "Em reunião na secretaria de Educação solicitamos o piso mais o cumprimento da Lei Municipal 749/07 respeitando a porcentagem aplicado nas diferenças de níveis, consolidando assim a valorização da carreira do magistério e o respeito a formação profissional. Também solicitamos a reposição inflacionária e devolução de mais 5% retirados em novembro de 2020 dos profissionais de apoio à docência (porteiro, merendeiras, auxiliar de serviço gerais, servente, auxiliar de ADM e Escritório)".


Segundo Perla, o Sismus não irá aceitar nenhuma proposta abaixo dos 33,24% mais os níveis de acordo com a formação. "Lei tem que ser cumprida".

Anuncie Aqui 2.png